Erros que acontecem na emissão de certificados

O certo seria você calibrar um instrumento e identificar os erros da sua escala, mas muitas vezes ocorrem erros no conteúdo deste documento.

Eu sou Mauro Duarte e tenho 25 anos de experiência em Laboratórios credenciados pelo INMETRO e já precisei analisar o conteúdo e avaliar milhares de certificados. Vou neste breve artigo relatar para vocês os principais problemas que podem ocorrer neste processo.

Termos e Siglas: Utilize os mesmos termos e siglas adotados pelo VIM – Vocabulário Internacional de Metrologia e da norma de calibração.

Criação do modelo: É muito importante após criar o certificado revisar se o mesmo contém todas as informações requeridas não somente pela norma de gestão (ISO 17025), mas pela norma específica de calibração, pois se o modelo estiver errado certamente muitos certificados serão emitidos erroneamente até que alguém perceba o problema;

Validação e proteção: Após inserir as fórmulas é preciso validar se os mesmos foram elaborados corretamente;

Proteção: É importante impedir o acesso ao conteúdos e fórmulas dos certificados, ficando livre para digitação somente os campos necessários para a sua execução;

Transcrição de dados: Evite “anotar a mão” e depois digitar sempre que possível integre o equipamento com a sua planilha/certificado;

Identificação: Muitas vezes o número gravado no instrumento não está bem legível e isto pode gerar erros nos certificados, cabendo ao executor da calibração dar uma atenção especial para este requisito.

Padronização: Normalmente as empresas utilizam siglas, ponto, hífen ou barra ao definir o padrão de numeração e é necessário que no certificado conste exatamente o que esta gravado no instrumento, sendo que até mesmo um espaço indevido pode gera problemas, principalmente na localização do instrumento em um software por exemplo.

Rastreabilidade: Não tem coisa pior do que calibrar um instrumento com um padrão vencido, mas acredite que isto ocorre com uma frequência maior do que se pensa. O gestor deve estar atento aos prazos de calibração mas também precisa garantir que o modelo de certificado seja atualizado.

Unidades: Alguns laboratórios misturam a unidade de medida que consta no certificado com valores percentuais de incerteza o que acaba gerando dúvidas e erros para a pessoa que irá posteriormente avaliar o certificado. Já constatei isto com uma certa frequência em certificados de manômetros, vacuômetros e transdutores de pressão.

Número de casas decimais: É preciso definir a incerteza a ser apresentada e respeitar o número de casas decimais, tanto nos resultados, quanto nas incertezas relatadas.

Incerteza de Medição: Já verifiquei certificados no qual não constava a incerteza de medição. Este problema é muito grave, pois um certificado sem incerteza não tem validade ou pior ainda, já encontrei certificados com incerteza “zero”, penso que só pode ter sido problema de arredondamento no Excel.

A falta de incerteza de medição é muito comum em Certificados de Controle Dimensional de peças, pois muitos técnicos desconhecem esta necessidade, achando que apenas certificados de laboratórios externos precisam ter os seus resultados com as respectivas incertezas.

Você pode complementar esta minha lista considerando fatos que você já vivenciou.

Forte Abraço!

A importância de um certificado de calibração qualificado

Olá

A calibração dos instrumentos é de extrema importância no processo de controle e garantia da qualidade e o Certificado que expressa os resultados de deve ser muito bem elaborado e avaliado.

Mas afinal, o que é o certificado de calibração?

Trata-se de um documento oficial, originado a partir da atividade de Calibração, emitido por um Laboratório reconhecido e acreditado pelo Inmetro e com informações padronizadas pela norma NBR ISO/IEC 17025.

É muito importante que você fique atento se os seus certificados atendem aos requisitos normativos, evitando assim não conformidades.

A minha dica é que você utilize laboratórios acreditado pelo INMETRO, mas mesmo assim podem ocorrer eventuais falhas de conteúdo ou identificação.

Você irá precisar se preparar muito bem para avaliar e conferir na integra o certificado que o laboratório está lhe fornecendo.

E para isto criamos a nossa Lista de Verificação do Certificado de Calibração que você já deve ter recebido ao se cadastrar nos nossos canais.

Caso não tenha recebido nos solicite agora mesmo.

Qual a real importância do Certificado de Calibração?

Conforme o VIM – Vocabulário  Internacional de Termos Fundamentais e Gerais de Metrologia a calibração representa o conjunto de operações que estabelece, sob condições específicas, a relação entre os valores indicados por um instrumento de medição, sistema de medição ou valores representados por uma medida materializada ou material de referência, e os valores correspondentes às grandezas estabelecidas por padrões.

Podemos simplificar e dizer que “calibrar” significa levantar a curva de erro do instrumento e quando possível o ajustar.

O trabalho de calibração relata as condições reais do equipamento e não garante que o mesmo esta adequado ao uso pretendido, precisando ser realizada uma avaliação quanto a sua adequação ao uso.

Você sabia que você pode ter um instrumento da melhor marca e calibrado no melhor laboratório e com erros máximos dentro das especificações de norma e mesmo assim o instrumento não atender as suas necessidades?

Sim isto é verdade, pois irá depender principalmente da resolução do instrumento e das tolerâncias e especificações do seu processo.

Você precisa estar fortemente preparado não somente para escolher o instrumento certo, mas também para avaliar o certificado.

Não existe um instrumento perfeito e todos podem ter erros que ocorrem em função de sua construção e desta forma temos que em intervalos previamente estabelecidos, avaliar se os instrumentos apresentam resultados confiáveis e adequadas para que possamos tomar decisões.

Na avaliação do certificado você irá utilizar a maior soma de erro e incerteza e também é recomendável utilizar outra fontes de incerteza que possam influenciar nos resultados das medições, tais como:

Trena: Além do erro e incerteza do laboratório é uma fonte de incerteza a diferença da folga e da espessura do encosto;

Balança: Além do erro e incerteza o erro de excentricidade;

Micrômetro: Além do erro e incerteza é recomendável considerar os erros de paralelismo e planeza dos contatos.

Utilizei apenas estes 3 instrumentos como exemplo mas você que deseja se especializar no assunto poderá considerar outros fatores, tais como resolução, repetitividade e reprodutibilidade, linearidade, estabilidade, robustez… entre outros fatores que podem impactar nos seus resultados.

Você pode pensar que desta forma vai ficar complicado e reprovar tudo, mas eu te garanto que é preferível reprovar o instrumento para um processo e utilizar em outro com tolerâncias maiores do que reprovar lotes de peças produzidas não conformes por falta de qualidade na avaliação do certificado.

Outro ponto a se considerar é que teremos apenas um trabalho inicial para elaborar as planilhas que irão automatiza o estudo e desta forma o tempo será praticamente o mesmo do que se você usar um critério mais simplificado.

Então é isto! Fique muito atento ao conteúdo do certificado e a forma que o mesmos será utilizado.

Sensibilização para a Importância da Metrologia

Olá

Não é uma tarefa fácil sensibilizar e motivar pessoas quanto a importância da Metrologia.

Se exercitarmos a empatia e nos colocarmos no lugar de gestores sentiremos uma pressão por redução de custos na compra, manutenção e calibração da instrumentação.

O usuário,  por outro lado, precisa ter ferramentas em que possa confiar e necessita ser treinado quanto ao uso e manuseio destes instrumentos.

É muito comum as empresas definirem uma pessoa que vai ter a responsabilidade de controlar os meios de medição, mas o problema é que muitas vezes este profissional fica perdido, correndo de um lado para o outro atrás de instrumentos extraviados ou tendo a surpresa de encontrar ferramentas de medição novas que não estavam no seu cadastro.

Existem cinco princípios que guiam as boas práticas de medição que foram definidos pelo NPL (National Physical Laboratory).

1 – Medição Certa: Medições somente devem ser realizadas para satisfazer requisitos bem especificados.

2 – Ferramenta adequada: Medições devem ser realizadas utilizando equipamentos e métodos que tenham demonstrado ser adequados para a finalidade.

3 – Pessoas preparadas: O pessoal que realiza a medição deve ser competente, qualificado e bem informado.

4 – Base teórica: Procedimentos de medição bem definidos e consistentes com normas nacionais e internacionais reconhecidas.

5 – Consistência: Medições realizadas em um local devem ser consistentes com aquelas realizadas em outros locais.

O fato é que a pessoa com a atribuição de controlar os instrumentos precisa estar preparada tanto tecnicamente quanto emocionalmente, pois irá precisar sensibilizar pessoas quanto a importância da Metrologia, isto é, precisa “trazer as pessoas para o seu lado”, fazendo com que todos estejam juntos neste controle.

Na minha opinião, o primeiro passo é envolver os lideres da área, definindo o que será calibrado com suas respectivas periodicidades. E penso que é também um ótimo momento para identificar os menores intervalos de tolerância dos processos;

Certifique-se de que todos os usuários saibam utilizar os instrumentos de forma adequada, pois o custo de manutenção é elevado quando o usuário o utiliza de forma inadequada, sem contar o risco de aprovar ou reprovar peças de forma indevida.

Neste processo além de ensinar a medir com o próprio instrumento podem ser utilizados modelos matemáticos que simulam as medições e leituras.

Disponibilize material para que o usuário possa manter o instrumento limpo e tenha um cuidado especial na forma de manuseio e armazenamento, sendo que para a limpeza de instrumentos básicos é muito comum o uso de álcool isopropílico com papel toalha ou pano de popeline.

O profissional designado para controlar a instrumentação precisa “vender o seu peixe” e motivar todos a se engajarem na sua missão de manter a metrologia em alto nível na organização.

Outro ponto importante é definir indicadores e metas relativos a:

– Extravio de instrumentos;

– Calibração de instrumentos;

–  Manutenção de instrumentos;

– Treinamento de usuários.

Acredito que tendo-se pessoas preparadas em todos os níveis será mais fácil de engajar toda a equipe no propósito de manter a metrologia em alto nível, trazendo confiança e qualidade de resultados que é o mais importante.

Fique a vontade para opinar e trazer sugestões para uma melhor gestão metrológica.